Artista de guerra

Um artista de guerra é um artista comissionado por um governo ou publicação, ou automotivado, para documentar a sua experiência de guerra em primeira mão sob a forma de um registo ilustrativo ou de uma descrição de como a guerra molda vidas.[1][2][3] Os artistas de guerra exploram as dimensões visuais e sensoriais da guerra, muitas vezes ausentes em histórias escritas ou outros relatos de guerra.[4]

 Nota: Para o gênero, veja arte militar.
Um artista de guerra na França ocupada pela Alemanha em 1941
A Apoteose da Guerra por Vasily Vereshchagin

Os artistas de guerra podem estar envolvidos como espectadores das cenas, militares que respondem a poderosos impulsos internos para retratar a experiência direta da guerra, ou indivíduos que são oficialmente comissionados para estar presentes e registrar a atividade militar.[5] Um artista de guerra cria um relato visual do impacto da guerra, mostrando como homens e mulheres estão à espera, preparando-se, lutando, sofrendo, celebrando,[6] ou destruídos, como na pintura de Vasily Vereshchagin de 1871, A Apoteose da Guerra.

As obras produzidas por artistas de guerra ilustram e registram muitos aspectos da guerra e da experiência individual da guerra, seja ela aliada ou inimiga, militar ou civil, militar ou política, social ou cultural. O papel do artista e de sua obra é abraçar as causas, o curso e as consequências do conflito e tem um propósito essencialmente educacional.[7]

Os artistas registram as atividades militares de uma forma que as câmeras e a palavra escrita não conseguem. Sua arte coleta e destila as experiências dos homens e mulheres que a suportaram a guerra.[8] Os artistas e suas obras

de arte afetam o modo como as gerações subsequentes veem os conflitos militares. Por exemplo, os artistas de guerra australianos que cresceram entre as duas guerras mundiais foram influenciados pelas obras de arte que retratavam a Primeira Guerra Mundial, e houve um precedente e um formato a seguir.[9]

Artistas de guerra oficiais foram nomeados por governos para fins de informação ou propaganda e para registrar eventos no campo de batalha,[10] mas existem muitos outros tipos de artistas de guerra. Estes podem incluir combatentes que são artistas e optam por registar as suas experiências, não combatentes que são testemunhas de guerra, e prisioneiros de guerra que podem voluntariamente registar as condições ou ser nomeados artistas de guerra por oficiais superiores.

Na Nova Zelândia, o título “artista de guerra” mudou para “artista do exército” após as duas guerras mundiais.[11] Nos Estados Unidos, o termo “artista de combate” passou a significar a mesma coisa.[12][13]

Referências

  1. Tate.org, Art & artists, Art Term – War artists – War artists are artists who are commissioned through an official scheme to record the events of war
  2. Jane Bingham, War and Conflict, Raintree – 2006, pages 30-35
  3. Imperial War Museum (IWM), header phrase, “war shapes lives”
  4. Australian War Memorial (AWM): Australian official war artists
  5. Oxford Companion to Military History
  6. Canadian War Museum (CWM), “Australia, Britain, and Canada in the Second World War,” 2005.
  7. «About the Imperial War Museum». Iwm.org.uk. Consultado em 15 de julho de 2012
  8. Naval History & Heritage Command (NHHC), “World War II Navy Art: A Vision of History,”, 2001
  9. Reid, John B. (1977). Australian Artists at War, Vol. 2, p. 5.
  10. The National Archives, “‘The Art of War,’ Learn About the Art.”
  11. Gauldie, Matt. “History of the NZ Army Artist”
  12. “With Sketchpads and Guns, Semper Fi”;
  13. «Marine Art». Nytimes.com. 14 de julho de 2010. Consultado em 15 de julho de 2012

. . . Artista de guerra . . .

Austrália
  • Reid, John B. (1977). Australian Artists at War: Compiled from the Australian War Memorial Collection. Volume 1. 1885–1925; Vol. 2 1940–1970. South Melbourne, Victoria: Sun Books. ISBN 9780725102548; OCLC 4035199
Canadá
  • Oliver, Dean Frederick, and Laura Brandon (2000). Canvas of War: Painting the Canadian Experience, 1914 to 1945. Vancouver: Douglas & McIntyre. ISBN 9781550547726; OCLC 43283109
  • Tippett, Maria. (1984). Art at the Service of War: Canada, Art, and the Great War. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 9780802025418; OCLC 13858984
Alemanha
Nova Zelândia
África do Sul
  • Carter, Albert Charles Robinson. (1900). The Work of War Artists in South Africa. London: “The Art Journal” Office. OCLC 25938498
Reino Unido
Estados Unidos
  • Cornebise, Alfred. (1991). Art from the trenches: America’s Uniformed Artists in World War I. College Station: Texas A & M University Press. ISBN 9780890963494; OCLC 22892632
  • Harrington, Peter, and Frederic A. Sharf. (1988). A Splendid Little War; The Spanish–American War, 1898; The Artists’ Perspective. London: Greenhill. ISBN 9781853673160; OCLC 260112479
  • Chase Maenius. The Art of War[s]: Paintings of Heroes, Horrors and History. 2014. ISBN 978-1320309554

. . . Artista de guerra . . .

Este artigo foi publicado a partir do site Wikipedia. O artigo original pode ser um pouco reduzido ou modificado. Alguns links podem ter sido modificados. O texto está licenciado sob “Creative Commons – Atribuição – Compartilhamento” [1] e parte do texto também pode ser licenciado sob os termos da “GNU Free Documentation License” [2]. Termos adicionais podem ser aplicados aos arquivos de mídia. Ao usar este site, você concorda com nossas páginas jurídicas. Links da Web: [1] [2]

. . . Artista de guerra . . .

Previous post Zélia Duncan (álbum)
Next post Cinema dos Estados Unidos